CONSTRUÇÃO

 

PU (Poliuretano): Um bloco de PU com stringer de madeira (contraplacado), tradicionalmente laminado com resina de poliéster. Ideal para uso diário, garantindo desempenho em todo o tipo de condições, tamanhos de onda e níveis de surf.

 

img_3002

 

EPS (Poliestireno expandido): Um bloco de poliestireno expandido com stringer de madeira (contraplacado), geralmente laminado com resina de epoxy. É tipicamente o mais leve de todos os tipos de foam usados na construção de pranchas, resultando numa prancha consideravelmente mais leve e com maior flutuação. Isto traduz-se numa maior velocidade de remada e manobrabilidade, permitindo-te usar uma prancha mais pequena. O foam de EPS também é conhecido pela sua durabilidade. Em geral torna a prancha mais resistente, duradoura e flexível. Recomendamos este material nos nossos modelos de ondas pequenas para rentabilizar as tuas surfadas em fracas condições de surf.

 

Flowtech: Hoje em dia, é globalmente aceite pela comunidade científica que um fluxo laminar gera mais atrito na zona de fronteira que um fluxo turbulento. A superfície irregular de uma bola de golfe é um exemplo perfeito desta teoria. O Flowtech® (patente pendente) é uma tecnologia aplicável ao fundo das pranchas, através da qual são criadas irregularidades simétricas e homogéneas na superfície inferior da prancha (bottom) de forma a diminuir o atrito e aumentar a fluidez no contacto com a água, durante a surfada. Com esta tecnologia, desenvolvida e testada pelo shaper Lino Curado, os modelos WANTED vão mais longe, mais rápido e com viragens mais fluídas na onda do que qualquer outra prancha no mercado.

 

flowtech1_3

 

LAMINAÇÃO

 

Laminação por infusão: O método de infusão faz a resina correr de um ponto ao outro através do vácuo. O efeito de vácuo comprime o material ao bloco garantindo que a resina (epoxy) é impregnada na fibra de forma rápida e homogénea, maximizando a resistência da prancha sem prejudicar a sua flexibilidade. O resultado são pranchas mais resistentes e duradouras, que podem ser usadas durante consideravelmente mais tempo até começarem a notar-se os primeiros sinais de uso e degradação. O método de infusão também elimina os excessos de resina, direcionando-os para um contentor selado. A construção torna-se, assim, mais barata e a prancha mais leve. Esta tecnologia confere aos modelos WANTED uma durabilidade, fluidez e performance superiores às gamas de pranchas convencionais.

 

lino_technologie27

 

Laminação a vácuo: A prancha é comprimida numa bolsa de nylon com materiais absorventes depois de ter sido laminada tradicionalmente. A pressão causada pelo vácuo comprime as camadas de fibra e resina, reduzindo o peso da prancha e aumentando a sua resistência. Este método suprime o excesso de resina, fazendo com que a prancha tenha somente a quantidade necessária para maximizar a sua resistência. O laminado torna-se, assim, duas vezes mais leve do que numa prancha laminada tradicionalmente. As pranchas laminadas a vácuo são também mais duradouras do que as pranchas standard. A pressão constante do vácuo, impossível de ser atingida no processo manual, torna as fibras mais compactas, deixando a prancha mais dura e consequentemente com maior pressão na onda. O resultado é uma prancha mais resistente sem perder a flexibilidade, comportando-se como um verdadeiro monobloco. Resistência, flexibilidade e fluidez são a finalidade máxima deste processo.